"Se Dilma não vai a seca, a seca vai até Dilma" diz lema de protesto na Paraíba

Se Dilma não vai à seca, a seca vai até Dilma. Com este lema o deputado federal Efraim Filho (DEM) lidera, ao lado de entidades ligadas à agricultura, protesto contra o tratamento do Governo Federal às vítimas da seca na Paraíba nesta segunda-feira (4), dia em que a presidente Dilma Roussef visitará o Estado. O local do protesto ainda não foi definido. Aguarda-se a publicação da agenda presidencial.

O movimento terá a participação da Federação de Agricultura da Paraíba - FAEPA, com a ASPLAN, Associação dos mutuários do Banco do Nordeste e outros segmentos da sociedade.

Efraim encaminhou ao secretário geral da presidência da República, Gilberto Carvalho, um ofício com sugestões para a visita da presidente Dilma Roussseff ao estado da Paraíba. No ofício encaminhado à presidência da República o parlamentar apelou para o bom senso de Dilma Rousseff.

Do que foi divulgada, a agenda consta apenas uma visita ao Centro de Convenções, em João Pessoa e barragem de Acauã.

Na avaliação do deputado, a presidente só conhecerá de fato os problemas enfrentados pelo povo se for a lugares onde a população sofre com a falta de água e rebanhos inteiros estão sendo dizimados porque além da água falta comida.

“As ações do governo federal hoje são emergenciais. A Paraíba está cansada de receber migalhas e esmolas: Cisternas, carros-pipa e milho da Conab são paliativos que não estão atendendo às necessidades da Paraíba. Nós queremos e precisamos que as obras da transposição do rio São Francisco sejam concluídas e as dívidas dos agricultores anistiadas. Não dá mais para continuar ano após ano vendo o povo, principalmente o sertanejo sofrendo sem poder fazer nada”, declarou Efraim ao afirmar que a presidente precisa ir às regiões como o semiárido, seja Curimatau, Vale do Sabugi, no Cariri ou ainda no alto sertão nordestino.

“Sem conhecer essa dura realidade as decisões continuarão paliativas, mas se a presidente Dilma conhecer às necessidades e com a sensibilidade que é lhe peculiar o governo poderá trabalhar medidas mais estruturadas e planejadas para que nas próximas estiagens o sertanejo não sofra tanto”, afirmou Efraim Filho ao destacar que a estiagem nos últimos dois anos foram as mais duras dos últimos anos e poderá ser estendida até final de 2013.

“Não é um movimento de oposição, mas de proposição. A mobilização tem em vista tirar uma ação concreta da presidente Dilma sobre as medidas estruturantes de combate a seca e o perdão de dívidas de pequenos produtores que estão sufocados pelo longo período sem produção alguma. Se a Dilma não vai à seca, a seca vai a Dilma”, destacou.