Foto: Evaristo Sá/AFP
O Tribunal Superior Eleitoral (TSE) diplomou nesta segunda-feira (10) o presidente eleito, Jair Bolsonaro (PSL) e o vice-presidente eleito, general Hamilton Mourão (PRTB).

No discurso, Bolsonaro afirmou que "o poder popular não precisa mais de intermediação" porque as novas tecnologias criaram uma nova relação entre eleitor e representantes.

A entrega do diploma oficializa o resultado das urnas, é o último passo do processo eleitoral e condição formal para a posse, marcada para 1º de janeiro.

A solenidade no plenário do TSE, em Brasília, reuniu parentes de Bolsonaro, autoridades e futuros ministros do governo. Os mandatos de Bolsonaro e de Mourão vão até 31 de dezembro de 2022.

No último dia 4, o TSE aprovou com ressalvas as contas da campanha de Bolsonaro. O julgamento era necessário para a diplomação da chapa.

Conforme a prestação, entregue pelos advogados da chapa, a campanha arrecadou R$ 4,3 milhões e gastou R$ 2,8 milhões.

Relator das contas da campanha, o ministro Luís Roberto Barroso afirmou que, segundo a área técnica do tribunal, grande parte das "inconsistências" na prestação de contas foi sanada após a defesa de Bolsonaro retificar a prestação.

"As irregularidades detectadas são de pouquíssima relevância", disse o ministro na oportunidade.

G1