FARMANUNES

header ads

Gol do Tottenham que tirou City da Champions será irregular em junho, mas já deveria ter sido anulado; entenda

© Getty
O VAR foi o centro das atenções na Inglaterra nesta quarta-feira e teve participação direta na eliminação do Manchester City e consequente classificação do Tottenham às semifinais da Uefa Champions League. Em um dos lances em que atuou, porém, acabou tendo uma decisão bem polêmica. E até errada segundo recomendações atuais da própria entidade que regula o futebol no continente europeu.

O suposto erro aconteceu no gol de Llorente, o terceiro do Tottenham e o responsável direto pela classificação da equipe – sem ele, seria o City quem avançaria.

Aos 28 minutos do segundo tempo, Trippier colocou a bola na área, e Llorente conseguiu empurrar ela para o gol no meio da confusão entre os zagueiros. O problema é que a bola bateu em seu braço e depois em seu joelho antes de ir para as redes. O juiz turco Cuneyt reviu a jogada, mas decidiu validar o gol mesmo assim.

O problema é que a recomendação da Uefa é diferente.

“A bola bate na mão dele antes de bater em outra parte do corpo. As instruções da Uefa são claras quanto a isso: não pode ser gol se tocar em sua mão, mesmo que seja involuntário. Não importa se o braço está junto ao corpo. Se é com um defensor, não é pênalti. Mas se é com um atacante, a jogada tem que ser anulada”, disse o ex-árbitro Iturralde González ao jornal As.

Salvio Spínola, comentarista de arbitragem dos canais ESPN, confirma que essa orientação realmente já está em vigor em solo europeu.

Para azar do City, porém, essa jogada aconteceu antes do dia 1º de junho. Isso porque essa é a data em que as novas regras do futebol vão começar a valer. E nelas nem há espaço para qualquer interpretação neste tipo de lance. A International Board, órgão que cuida dos regulamentos do futebol, diz que qualquer gol com toque de mão tem que ser invalido, independente da intenção ou não.

Ou seja: a nova regra vai justamente oficializar o que a Uefa já recomenda.

MSN Noticias

Postar um comentário

0 Comentários