© Nilson Fukuda/Estadão
Após protestos em pelo menos 250 cidades do Brasil e a maior manifestação contra o governo de Jair Bolsonaro desde o início de sua administração, o Ministério da Educação se vê envolto em mais uma crise.

O presidente, que estava no exterior, afirmou que a maioria dos manifestantes eram “idiotas úteis” e "imbecis" que estavam sendo usados como massa de manobra.

A pasta da Educação, uma das duas em que um ministro já foi demitido - a outra é a Secretaria de Governo, de onde saiu Gustavo Bebianno -, acumula problemas desde o início da gestão do colombiano Ricardo Vélez Rodríguez, que ficou menos de 100 dias no cargo.