Toda linguagem é doutrinária, toda expressão do pensamento pela palavra escrita, oral ou por sinais influencia os que lhe dão atenção. Os mais diversos tipos de estrutura textual, como prosa, poesia, crônica, cinema, teatro, música, propaganda, palestra, pregação e outras tantas, ensinam. Por isso, somos nós que decidimos qual conteúdo temático desejamos receber no coração, para que a boca, ao se expressar, dê vida àquilo que se encontra em nós: “Porque a boca fala do que está cheio o coração”, declarou o Senhor Jesus em Mateus 12.34 (ARA). Encha seu coração dos ensinamentos do Senhor, porque eles conduzem à vida.

O Espírito Santo, por intermédio do apóstolo Paulo, exorta os que querem uma vida influenciada por Deus: “Não vos prendais a um jugo desigual com os infiéis; porque que sociedade tem a justiça com a injustiça? E que comunhão tem a luz com as trevas?” (2Coríntios 6.14 ARC).

Daí, devemos meditar: o que tenho eu com as inspirações dos que ainda vivem nas trevas (sem entendimento) e por elas são influenciados? Como ouvir suas músicas e me manter santificado? Como assistir a seus filmes completamente contrários à doutrina de Deus e ao mesmo tempo ser consagrado ao Senhor?

Isso é incompatível. Como me separo para Deus, tendo prazer noutros ensinamentos? “Então, vereis outra vez a diferença entre o justo e o ímpio; entre o que serve a Deus e o que não o serve” (Malaquias 3.18 ARC). Essa diferença está no modo de vida que levamos, que para o crente provêm apenas de Deus, conforme as Escrituras Sagradas. Não se serve a dois senhores, está escrito em Lucas 16.13. Entretanto, para os que seguem a Jesus de longe, vale tudo.

“Ah”, dirão alguns, “não devemos ser radicais!” No entanto, dentro dessa ótica podemos dizer que Deus é radical! Prestemos atenção no que o Senhor Jesus diz em Mateus 18.8-9 (ARA): “Portanto, se a tua mão ou o teu pé te faz tropeçar, corta-o e lança-o fora de ti; melhor é entrares na vida manco ou aleijado do que, tendo duas mãos ou dois pés, seres lançado no fogo eterno. Se um dos teus olhos te faz tropeçar, arranca-o e lança-o fora de ti; melhor é entrares na vida com um só dos teus olhos do que, tendo dois, seres lançado no inferno de fogo”.

Meu amigo, não lute contra a verdadeira sabedoria. Não despreze a Palavra de Deus, achando que pode se manter em comunhão com o Pai vivendo como bem quer. “Busca seu próprio desejo aquele que se separa; ele insurge-se contra a verdadeira sabedoria” (Provérbios 18.1 ARC). Não se separe da Palavra por nada nem por ninguém, atendendo o seu desejo pessoal; não se rebele contra a verdadeira sabedoria que vem do alto. Lembre-se de que o princípio da sabedoria, o fundamento dela, é o respeito ao Senhor.

Portanto, atente ao que está escrito. “Confia no Senhor de todo o teu coração e não te estribes no teu próprio entendimento” (Provérbios 3.5 ARC). Confie no Senhor e não se apoie no seu próprio saber. Reconheça a Deus como o único que deve influenciá-lo e se afaste de vez dos desejos mundanos com suas guloseimas indigestas que contaminam o espírito do homem recriado em Cristo Jesus; do contrário, somos tidos como adúlteros e inimigos de Deus: “Adúlteros e adúlteras, não sabeis vós que a amizade do mundo é inimizade contra Deus? Portanto, qualquer que quiser ser amigo do mundo constitui-se inimigo de Deus” (Tiago 4.4 ARC). Examine sua conduta e se fixe na Palavra. Escolha viver livre e feliz na presença do Senhor!

Na alegria do Senhor, que é a nossa força,
Abdias Campos, servo do Deus vivo