Absolutamente Maravilhoso; por Abdias Campos

Acabei de ler um artigo de um doutor em filosofia. Achei incrível, como sempre acho, a capacidade argumentativa desses escribas, exímios articuladores de palavras. A forma dissertativa dos tais é encantadora, parece música com compasso, ritmo e melodia, que já nasce com arranjos completos. Li e reli alguns trechos. Ao final ficou apenas a impressão, como sempre fica nesses casos, de algo tão somente melodioso. Contudo, o conteúdo não informou nem formou ideia alguma, embora deixasse no ar certo sentimento de profundidade inatingível, mas ao cabo um divagar de frases metrificadas, boas para a leitura despretensiosa. Parece-me que a questão é justamente esta: nunca deixar nada resolvido. Quem diz o diz como lançando névoas no ar, quem lê o lê como que passeando sobre elas, até descer sem nada trazer, a não ser a sensação de que andou flutuando. E assim alguns homens constroem a vida aqui na terra, apresentando-se uns ao outros como seres inatingíveis sem sê-los.

Não há uma crítica nisso, mas é uma reflexão que fazemos, a qual nos leva à profundidade e simplicidade da Palavra do Senhor, direta, reta, contundente, peça de instrução da vida produzida pelo Espírito Santo de Deus para os homens quebrantados. Entretanto, é somente revelada no espírito e na verdade, na condição de se buscar de todo o coração, porque é espiritual. Abaixo o Senhor Jesus nos faz compreender mais acerca do assunto.

“Naquele tempo, respondendo Jesus, disse: Graças te dou, ó Pai, Senhor do céu e da terra, que ocultaste estas coisas aos sábios e instruídos e as revelaste aos pequeninos” (Mateus 11.25 | ARC).

O Senhor Deus, Senhor do céu e da terra, em Sua perfeição e profundidade retirou dos sábios e instruídos, segundo o mundo, a capacidade de entendê-lO, pois os tais se colocam numa posição para além da atmosfera, a qual os leva a tentarem explicar Deus e não por Ele serem instruídos. No entanto, para os pequeninos, que são os necessitados do Pai, o Senhor tem mostrado o que dos sábios esconde. Isso é extraordinário, absolutamente maravilhoso. Vê-se os de pouca instrução sabendo de coisas que os sábios, segundo o mundo, tentam saber e não alcançam.

“Ó profundidade das riquezas, tanto da sabedoria, como da ciência de Deus! Quão insondáveis são os seus juízos, e quão inescrutáveis, os seus caminhos! Porque quem compreendeu o intento do Senhor? Ou quem foi seu conselheiro? Ou quem lhe deu primeiro a ele, para que lhe seja recompensado? Porque dele, e por ele, e para ele são todas as coisas; glória, pois, a ele eternamente. Amém!” (Romanos 11.33-36 | ARC).

A profundidade e grandeza do Senhor Jesus não fornecem aos sábios e instruídos, segundo o mundo, parâmetros de comparação para os seus estudos, e isso os enlouquece, justamente por não tê-los para perpetuá-los em suas infindáveis discussões, as quais nada produzem, então divagam e só.

Louvado seja o nosso Deus e Pai; grandioso seja sempre o nosso Salvador Jesus; a Ele sejam a honra, a glória e o louvor eternamente! Amém.

Na alegria do Senhor, que é a nossa força,
Abdias Campos, servo do Deus vivo

Postar um comentário

0 Comentários