Em 18 de março de 2020 a Paraíba confirmava o primeiro caso de infecção pelo novo coronavírus, um paciente idoso de 60 anos. Um ano depois, o estado totaliza 241.592 casos, com recorde diário de óbitos. De acordo com o boletim mais recente da Secretaria de Estado da Paraíba (SES), divulgado nessa quinta-feira (17), a Paraíba ultrapassou a marca dos 5 mil mortos.

O primeiro caso no Brasil foi confirmado em 26 de fevereiro de 2020. Um homem de 61 anos, residente em São Paulo, que havia feito uma viagem à Itália, um dos focos da doença à época.

Desde então, o país vive uma escalada de contaminações e mortes. Nesta quinta-feira (17), já eram 285.136, de acordo com o consórcio dos veículos de imprensa.


Óbitos


A primeira morte causada pela doença na Paraíba foi registrada em 31 de março. A vítima foi um homem, de 36 anos, que morava em Patos, no Sertão paraibano, e estava internado na Unidade de Terapia Intensiva (UTI) do Hospital Clementino Fraga, em João Pessoa.

No Brasil, a primeira vítima fatal foi uma mulher de 57 anos, que estava internada no Hospital Municipal Doutor Carmino Cariccio, em São Paulo, ela faleceu em 12 de março, de acordo com o Ministério da Saúde. Antes acreditava-se que a data era 16 de março, mas a informação foi revista após resultados de exames e confirmada em julho.

Em 100 dias, o número de mortos chegou a 50 mil, junho de 2020. A mesma quantidade de pessoas perdeu a vida para a Covid-19 em apenas 48 dias em 2021. Em 7 de de janeiro já eram 200 mil mortos, em 24 de fevereiro ultrapassava os 250 mil, em 16 de março já passava dos 280 e em apenas 24h mais de cinco mil pessoas morreram em todo o país, as previsões apontam que ainda em março serão 300 mil mortos.


Quarentenas


Os estados brasileiros decretaram quarentenas, mas o governo federal não tomou uma medida que unificasse o combate à pandemia em todo o Brasil. Seis meses após o início da pandemia, a curva de contágios e mortes se estabilizou no patamar mais alto com números próximo a 1000 mortes por dia.

Na Paraíba os decretos que estabeleceram o “Novo Normal” determinou o critério de bandeiras no estado, no qual as medidas de restrição da circulação de pessoas varia de acordo com a cor. Após um período em bandeiras amarela e verde, os números de bandeiras laranja voltaram a subir em todo o estado, principalmente no Sertão, após as eleições, festas de fim de ano e carnaval.


Lotação das UTIS


Durante a primeira onda de infecções houve ampliação de leitos de Unidade de Terapia Intensiva em todo o país. Na Paraíba não foi diferente com seleções recorrentes de profissionais para trabalhar na linha de frente da doença. Porém, na segunda onda, mesmo com o esforço de aumentar o atendimento hospitalar, já começam a existir filas de espera por leitos.

Cada dia aumenta o número de pessoas à espera de um leito de UTI ou enfermaria. Nesta quinta-feira, já havia 69 pessoas esperando em Unidades de Pronto Atendimento (UPAs).

De acordo com a SES, a ocupação total de leitos de UTI (adulto, pediátrico e obstétrico) em todo o estado, nessa quinta-feira (17) é de 80%. Fazendo um recorte apenas dos leitos de UTI para adultos na Região Metropolitana de João Pessoa, a taxa de ocupação chega a 92%. Em Campina Grande estão ocupados 70% dos leitos de UTI adulto e no sertão 98% dos leitos de UTI para adultos. De acordo com o Centro Estadual de Regulação Hospitalar, 66 pacientes foram internados nas últimas 24h.


Vacina


Em 2 de dezembro de 2020, o imunizante produzido pelas biofarmacêuticas Pfizer e BioNTech, foi aprovado no Reino Unido e a vacinação marcada para a semana seguinte.

No Brasil a Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária) aprovouem 17 de janeiro os pedidos de uso emergencial no Brasil das vacinas CoronaVac, produzida pelo Instituto Butantan com o laboratório chinês Sinovac, e AstraZeneca, desenvolvida pela Universidade de Oxford com a Fiocruz.

A enfermeira Marineide Rodrigues Gouveia Ferreira, de 60 anos, foi a primeira pessoa a se vacinar contra a Covid-19 na Paraíba, no dia 19 de janeiro.

O balanço da vacinação contra Covid-19 desta registrado no sistema de informação SI-PNI a aplicação de 281.623 doses, nessa quinta-feira. Até o momento, 216.061 pessoas foram vacinadas com a primeira dose e 65.562 com a segunda dose da vacina na Paraíba.

De acordo como consórcio de veículos de imprensa, 14.630.108 doses de vacinas foram aplicadas em todo o Brasil. 10.713.615 já receberam a primeira dose e 3.916.493 a segunda dose. Os números representam 5,06% e 1,85% da população.


Novos fechamentos


Médicos, virologistas e epidemiologistas em consenso acreditam que as medidas de isolamento do Brasil não são suficientes, sendo a ausência delas o principal fator para altas taxas de transmissão e mortes. Apesar do número alarmante de mortes, novos contágios e superlotação de hospitais, medidas de restrição da circulação de pessoas ainda são tímidas. De acordo com o decreto mais recente do governo Estadual, serviços não essenciais continuam funcionando com horário reduzido e fecham apenas no fim de semana. Além disso prefeitos elaboraram os próprios decretos com medidas ainda mais flexíveis e a Procuradoria-Geral do Estado precisou intervir.


Paraíba.com