“Levai as cargas uns dos outros e assim cumprireis a lei de Cristo” (Gálatas 6.2 | ARC).

Para servirmos ao Senhor Jesus verdadeiramente, necessitamos cumprir a Sua lei, e para cumprir a Sua lei, precisamos compreender a Sua natureza ajudadora. Deus não fez o homem para maltratar o homem, mas para ajudá-lo. Nós fomos salvos por Cristo por amor.

“Nós sabemos que passamos da morte para a vida, porque amamos os irmãos; quem não ama a seu irmão permanece na morte” (1João 3.14 | ARC). O indicador de que passamos da morte (natureza da criatura pecadora) para a vida (natureza de Cristo) é o amor ao nosso semelhante; nisso temos consciência da vida de Cristo em nós. “Quem não ama a seu irmão permanece na morte.” Daí, quem não ama ao seu semelhante na totalidade do amor de Cristo permanece no pecado.

“Conhecemos o amor nisto: que ele deu a sua vida por nós, e nós devemos dar a vida pelos irmãos” (1João 3.16 | ARC). Logo, amar a seu semelhante não é dizer de boca, nem dar o resto de comida que sobrou da sua mesa farta; tampouco é dar o trocado que sobrou da compra do pão, mas é dar a sua própria vida. É renunciar o seu conforto físico para carregar a carga dos outros, subjugando o seu corpo a servidão para alegrar o espírito do irmão numa atitude de amor e de ajuda. Essa ajuda é real quando dada sem fazer dela propaganda para anunciar-se aos demais. Isso é carnal e não há amor nessa atitude. Vejamos o que o Senhor Jesus falou acerca disso: “Cuidado para não praticardes boas obras diante dos homens a fim de serdes vistos por eles; do contrário, não tereis recompensa de vosso Pai, que está no céu” (Mateus 6.1 | A21).

Ao levar a carga do outro, ou seja, ao ajudarmos as pessoas devemos deixar claro para elas e para todos que, por conta do amor de Cristo que em nós opera, é feito o bem a favor do próximo, e isso para a glória e o louvor do Senhor Jesus. Ouçamos o que diz o Mestre: “Mas, quando ajudarem alguém necessitado, não deixem que a mão esquerda saiba o que a direita está fazendo” (Mateus 6.3 | NVT). Portanto, não devemos contar nem mesmo aos nossos mais íntimos amigos, se é que desejamos galardão dos céus e não dos homens. “Quando ajudarem alguém necessitado, não façam como os hipócritas que tocam trombetas nas sinagogas e nas ruas para serem elogiados pelos outros. Eu lhes digo a verdade: eles não receberão outra recompensa além dessa” (Mateus 6.2 | NVT).

Portanto, deixe que somente o Senhor apareça em suas ações. Tenhamos, pois, com destemor e alegria, o prazer de tudo fazer sem aparecer, para que o nome do Senhor Jesus seja glorificado. “Levai as cargas uns dos outros e assim cumprireis a lei de Cristo.” Amém.


Na alegria do Senhor, que é a nossa força,

Abdias Campos, servo do Deus vivo