Março de 2024 bate recorde como o mês que registrou mais mortes por dengue desde 2000, com 665 óbitos

Desde o começo do ano, 991 mortes foram confirmadas e outras 1.483 estão sob investigação, segundo o Ministério da Saúde


Entre 1º de março e 1º de abril, o Brasil registrou 665 mortes causadas por dengue, numa média de 20 óbitos por dia. Segundo dados do Ministério da Saúde, esse é o maior número registrado durante esse mês desde 2000, quando a pasta começou a contabilizar os casos. Além disso, em 19 dos 24 anos apurados, o país teve menos mortes do que o que foi registrado apenas este mês. Desde o começo do ano, 991 mortes foram confirmadas e outras 1.483 estão sob investigação.

O recorde de óbitos é de 2023, com 1.072, seguido por 2022, com 1.053. O mês com mais mortes no último ano foi abril, quando aconteceu o pico da doença e foram registradas 285 mortes.

No infográfico a seguir, é possível ver a curva de óbitos começando a subir no começo do ano, chegando no ápice em abril e caindo em seguida, como é esperado.



Segundo a ministra da Saúde, Nísia Trindade, as mudanças climáticas e a circulação de mais sorotipos da doença justificam a alta de casos da dengue no país nos primeiros meses. Ela explica que o Brasil vive uma "situação atípica" por registrar muitos casos no começo do ano e em cidades que normalmente não sofrem com a doença.

Os anos que tiveram mais óbitos por dengue, além de 2023 e 2022 já citados, são 2015, com 986; 2019, com 820; e 2016, com 701.

O Brasil bateu o recorde de número de casos, anteriormente de 2015, no dia 18, com 1.889.206 diagnósticos confirmados. Nesta terça, já são 2.624.300 casos prováveis.

Segundo dados do painel de dengue do Ministério da Saúde, o Distrito Federal é a unidade da federação com maior taxa de incidência de casos prováveis, com 6.804 casos por 100 mil habitantes. O DF é seguido por Minas Gerais, Espírito Santo, Paraná e Goiás, que, juntos, representam quase 58% do número absoluto de casos do país.

A faixa etária que mais registra casos de dengue é de 20 a 29 anos, com mais de 495 mil casos, o que representa quase um em cada cinco casos. Na separação por gênero, as mulheres são a maioria a contrair a doença (55,4%).

Diminuição do número de casos

A secretária de Vigilância em Saúde do Ministério da Saúde, Ethel Maciel, afirmou nesta terça-feira (2) que, em oito unidades da federação, o "pior já passou" e os casos de dengue mostram tendência de queda.

De acordo com a pasta, Acre, Amazonas, Espírito Santo, Distrito Federal, Goiás, Minas Gerais, Piauí e Roraima demonstram diminuição da doença. Apesar disso, Ethel afirma que é importante que a população mantenha a atenção e que "não acabou, ainda vamos ter casos de dengue acontecendo".

"A gente já atingiu o pico, mas a curva ainda tem que descer. Ainda temos umas semanas para essa queda, para entender se ela vai ser mais longa, se vai ser na mesma velocidade da subida", esclarece.

Segundo o governo, sete estados apresentam uma tendência de aumento do número de casos. Essa alta atinge os estados de Alagoas, Bahia, Maranhão, Mato Grosso do Sul, Pernambuco, Rio Grande do Norte e Sergipe.

com R7

Postar um comentário

Postagem Anterior Próxima Postagem
Amparo Ligado