Amparo Ligado

Pedir e Receber, por Abdias Campos


O Senhor Jesus diz que aquele que pede recebe. Ora, se aquele que pede recebe, visto que é uma ordem estabelecida nas Escrituras Sagradas por Cristo, por que alguns não recebem quando pedem? O Senhor responde: Porque pedis mal.


O que é pedir mal? Pedir mal é pedir para o seu próprio deleite, para o seu próprio agrado, para o seu próprio bem-estar, para o seu próprio encanto. O que isso significa? Significa que aquele que pede sem ser para a glória de Deus, mesmo dizendo que é, tem a intenção, ao receber o que pediu, de receber também reconhecimento pessoal, elogios e lisonjas dos homens. Nisso, ao falar que é para a glória de Deus, fala sem entendimento; aí, torna-se apenas um dizer, o qual é identificado como pedir mal.


Se fazemos tudo para a glória de Deus, não podemos pensar em aceitar qualquer reconhecimento pessoal; do contrário, cairemos em transgressão. Caído, não se pode andar. É preciso saber que o que pedimos deve ter o objetivo de contribuir para a obra do Senhor aqui na terra, para testemunhá-lO, e não para o nosso próprio deleite.


“Pedis e não recebeis, porque pedis mal, para o gastardes em vossos deleites” (Tiago 4.3 | ARC). O pedir mal está na finalidade do pedir (“para o gastardes em vossos deleites”); atente para isso. A finalidade do pedir é identificada por Deus no coração e nas ações, não nas palavras da boca.


Aproveite todos os momentos para se examinar diante do Senhor e Ele vai lhe mostrar detalhes preciosos da sua vida no cotidiano e ajudá-lo a se ajustar à conduta correta, segundo a justiça divina.


Veja o que o Senhor Jesus está ensinando para todos nós no versículo a seguir: “Quem fala de si mesmo busca a sua própria glória, mas o que busca a glória daquele que o enviou, esse é verdadeiro, e não há nele injustiça” (João 7.18 | ARC). Quando alguém personaliza o que faz, jamais será para a glória de Deus, porque já está estabelecido ali um personagem que será glorificado. Cristo buscava a glória do Pai, declarando que a doutrina que ministrava não era dEle, mas dAquele que O enviou. “Jesus respondeu e disse-lhes: A minha doutrina não é minha, mas daquele que me enviou” (João 7.16 | ARC). Por isso, Jesus é verdadeiro, pois não busca a Sua própria glória. Ele glorifica, através dos Seus feitos e sábios ensinamentos, o Pai, que O enviou.


E você? E eu? E nós? Buscamos a glória de quem? Ei, o que pedimos, o que ensinamos, o que somos, o que temos, o que recebemos, o que fazemos na vida, tudo provém dEle; é tudo para a Sua glória. Sem renúncia de si mesmo, não há como reconhecer somente a glória de Deus, porque o homem natural é ávido por elogio, por glória. Essa coisa não dá certo; Deus não divide a Sua glória com ninguém. O espiritual nem quer saber disso, porque isso o tira do Reino de Deus e o coloca no reino dos homens.


O reino dos homens é um reino sem força, sem luz e sem salvação. Não vamos sair do Reino da vida para o reino da morte, nunca, jamais. Não faremos o caminho inverso. Não somos mais de nós mesmos, porque houve a renúncia para seguirmos a Jesus, porque o que fazemos, entenda, fazemos para a glória de Deus. Damos, mas damos para a glória de Deus. Então, pedimos, e o que pedimos é para a glória de Deus. Peça, e Ele lhe dará.


“Pede-me, e te darei as nações como herança e os confins da terra como tua propriedade” (Salmo 2.8 | NVI). Peça a Deus, em nome de Jesus, para levar a Sua Palavra aos redutos mais longínquos das pessoas, aos corações mais endurecidos e enganados pelo mundo. O Senhor os dará como propriedade para que a obra de Deus lhes seja semeada e haja quebrantamento e salvação. Você receberá o galardão dos justos, pois o Senhor estará com você todos os dias; nada lhe faltará. Sim, isso é para a glória de Deus. Amém.


Na alegria do Senhor, que é a nossa força,

Abdias Campos, servo do Deus vivo

Postar um comentário

Postagem Anterior Próxima Postagem
Amparo Ligado